top of page
Buscar

Primeira verificação da veracidade das relatórios climáticos reportados pelas grandes corporações

Outubro 28, 2021 @ A|F Consulting Partners

Um órgão apoiado pelas Nações Unidas lançou um esquema para verificar as estratégias de "net-zero" de algumas corporações globais, que provavelmente se tornará um padrão para reguladores e investidores medirem as ambições climáticas das empresas.


Com o aumento da pressão dos investidores e da sociedade sobre as empresas para reduzir as emissões e manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius (2,7 ° Fahrenheit) acima dos níveis pré-industriais, as empresas surgiram com várias maneiras de expressar estratégias climáticas.


A iniciativa Science Based Targets (SBTi), uma colaboração entre as Nações Unidas e órgãos não governamentais com foco em commodities climáticas, visa tornar os compromissos climáticos corporativos comparáveis e, em última análise, mais confiáveis.


"Pela primeira vez, o SBTi Net-Zero Standard oferece às empresas uma certificação robusta para demonstrar aos consumidores, investidores e reguladores que suas metas de "net-zero" estão reduzindo as emissões no ritmo e na escala exigidos", Alberto Carrillo Pineda, Diretor Executivo do SBTi "Estamos convidando todas as empresas com metas e ambições líquidas de zero a mostrar às partes interessadas que seu caminho de descarbonização está alinhado com a ciência."

As grandes empresas devem convencer o SBTi de que têm um plano confiável para reduzir suas emissões pela metade antes de 2030 e eliminar 90-95% das emissões antes de 2050 em comparação com um ano base após 2015.


As reduções devem cobrir as emissões de gases de efeito estufa das operações diretas de uma empresa e do uso de eletricidade, também conhecido como Escopo 1 e 2, bem como dos fornecedores e usuários finais de seus produtos, ou Escopo 3.


Muitas empresas sinalizaram que dependeriam pesadamente das compensações de carbono para chegar a zero líquido, o que significa comprar ou criar compensações de carbono em um mercado ainda pequeno e não regulamentado para esses certificados.


Mas, para obter o selo de aprovação do SBTi, as empresas só podem usar compensações para cobrir no máximo 10% de suas emissões.


De até 10%, serão contabilizados apenas projetos de remoção de carbono, como captura direta de carbono pelo ar ou reflorestamento.


Será excluído o desmatamento evitado ou a captura de carbono das chaminés e sequestro (captura e armazenamento de carbono), que apenas evita que emissões adicionais atinjam a atmosfera.


Participando de um esquema piloto, a empresa dinamarquesa de energia renovável Orsted, as empresas norte-americanas CVS Health e o grupo imobiliário JLL, a empresa de relações públicas Dentsu International, a empresa suíça de material de construção Holcim, o grupo farmacêutico AstraZeneca e o provedor de serviços digitais indiano Wipro atenderam aos requisitos.


Alguns setores, como silvicultura e agricultura e petróleo e gás, terão que esperar até o próximo ano para apresentar suas estratégias para verificação.



4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page